Sistema FAEP/SENAR-PR

Ex-instrutor do SENAR-PR usa conhecimento da sala de aula para produzir cachaça premiada

Juan Artigas usou a experiência em sala de aula para abrir a fábrica da bebida, que já rendeu prêmios nacionais e internacionais. Próximo desafio é a exportação

À beira da rodovia que liga a PR 483 a Manfrinópolis, no Sudoeste do Paraná, Juan Artigas Souza recebe entusiasmado os clientes que vão em busca das cachaças Velho Juan. O mestre cachaceiro fluente não poupa detalhes dos seus diferenciais de produção, explica como funciona o alambique e a produção da cana-de-açúcar, em terras próximas à fábrica. Mas essa habilidade para transitar confortavelmente no universo dos destilados é uma novidade, considerando sua trajetória profissional. Até um tempo atrás, o homem de boina estilo uruguaia emprestava sua fala bem articulada para os cursos do SENAR-PR – entre outros cargos, já foi secretário de Agricultura em Francisco Beltrão.

A ideia de produzir cachaça na região, inclusive, surgiu quando Artigas era chefe da pasta municipal, nos anos 2000. Em um projeto que unia SENAR-PR, Sebrae-PR e Emater para associar produtores da região em uma cooperativa, legalizar os alambiques e criar uma marca com padrão de qualidade, ele conseguiu angariar mais de 30 sócios. Com o passar do tempo e as dificuldades de comercialização, os parceiros foram abandonando a atividade. Artigas, no entanto, se manteve firme. Buscou conhecimento em Minas Gerais, investiu na estrutura e obteve as licenças sanitárias. Hoje, é um dos poucos produtores que mantém a produção na região.

“Sempre fui um apreciador da bebida, mas naquele instante que comecei a trabalhar para incentivar produtores da região que tive a ideia de montar um alambique próprio. Nessa época, passei a me dedicar, vi o processo como um todo, fizemos viagens a Minas Gerais e me empolguei com a ideia”, lembra Artigas.

Com o passar do tempo, o mestre cachaceiro aprimorou seu produto. Nesse processo, ganhou competições nacionais, como a medalha de ouro no primeiro concurso paranaense de cachaças, do Sebrae-PR, em 2010. Também teve a premiação máxima no

ranking Bom Gourmet, do jornal Gazeta do Povo. O ponto alto ocorreu em 2014, quando a marca obteve o primeiro lugar no “Concours Mondial Spirits Selection”.

“Não participamos todos os anos dos concursos, até pelo custo. A ideia é, a partir de agora, participar anualmente. Isso ajuda na divulgação, dá visibilidade e facilita as vendas. Depois que saiu o resultado, apreciadores de longe, até de Pernambuco, nos ligaram porque queriam provar a cachaça”, conta o mestre cachaceiro, orgulhoso do seu produto.

Recentemente, a marca da cachaça passou por uma reformulação visual e até mesmo no nome para marcar o aniversário de 10 anos da marca Don Juan (antes, o alambique teve outras marcas, sendo a mais conhecida do Sudoeste). A ideia foi homenagear o pai do mestre cachaceiro, um uruguaio que se dedicou ao comércio e que tinha o mesmo nome. Como já existia uma marca de cachaça chamada Don Juan, a solução foi criar então a Velho Juan. Atualmente, no portfólio da empresa há nove opções, que incluem produtos como a prata (que não passa pelo processo de armazenamento em recipientes de madeira) e as envelhecidas em barris de amburana, cabriúva, grápia, carvalho e castanheira.

Juan Artigas Souza já ganhou até um prêmio internacional com a cachaça premium Velho Juan

Expansão

O alambique da Velho Juan foi projetado para produzir até 120 mil litros por ano. A capacidade instalada hoje permite chegar aos 60 mil litros, mas a produção tem girado em torno de 40 mil litros. “Nosso grande desafio é a comercialização. A cachaça não tem um giro tão grande, pois quem aprecia cachaça costuma ter várias garrafas de diferentes

marcas em casa. Então acaba demorando para comprar outra garrafa. Hoje, as vendas são concentradas dentro do Paraná, em lojas de conveniência, distribuidoras de bebidas e alguns mercados menores. Também mandamos para fora do Paraná, principalmente São Paulo. Temos um produto diferenciado, premiado, mas com consumo restrito”, revela o mestre cachaceiro.

Além disso, o Brasil é o único país no mundo que consome amplamente a cachaça. Por isso, na visão de Artigas, é preciso que o produto caia nas graças de apreciadores de destilados de outros países. Antes da pandemia, o processo para vender a Velho Juan no exterior estava avançado, mas os planos foram adiados.

“Estamos trabalhando para exportar, porque seria a grande saída. O consumo de cachaça no mundo ainda é baixo. É necessário um trabalho para a bebida ficar mais conhecida. No momento em que conseguirmos isso, já estamos organizados para poder atender a demanda”, projeta Artigas.

O mestre cachaceiro revela que usa só o coração da destilação (descartando a cabeça e a cauda) da bebida que sai do alambique. Além disso, a diversidade de madeiras para envelhecimento atende a diferentes gostos, fornecendo um amplo leque de aromas e bebidas livres de acidez excessiva. “A nossa produção da cana também é própria, com colheita artesanal [sem uso do fogo para queimar antes da colheita], além de reaproveitarmos tudo de forma sustentável. Esse nosso cuidado se reflete em qualidade”, destaca o produtor. “Nossa cachaça não é aquela que você toma um gole e parece que engoliu um gato de ré, que desce te arranhando tudo”, descreve.

Antonio Senkovski

Repórter e produtor de conteúdo multimídia. Desde 2016, atua como setorista do setor agropecuário (do Paraná, Brasil e mundial) em veículos de comunicação. Atualmente, faz parte a equipe de Comunicação Social do Sistema FAEP/SENAR-PR. Entre as principais funções desempenhadas estão a elaboração de reportagens para a revista Boletim Informativo; a apresentação de programas de rádio, podcasts, vídeos e lives; a criação de campanhas institucionais multimídia; e assessoria de imprensa.

Comentar

Boletim no Rádio

Galeria | Flickr

  • AX4A2874
  • AX4A2847
  • AX4A2864
  • AX4A2835
  • AX4A2842
  • AX4A2830
  • AX4A2820
  • AX4A2827
  • AX4A2790

Boletim no Rádio