Sistema FAEP/SENAR-PR

Vazio sanitário da soja começa nesta quarta-feira (15)

Até o dia 15 de setembro é obrigatória a ausência total de plantas vivas da oleaginosa nos campos do Estado. Objetivo é combater doenças como a ferrugem asiática

O vazio sanitário da soja no Paraná começa no próximo dia 15. Conforme determina a Portaria 109/2015 da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), durante o período de 90 dias, ou seja, até 15 de setembro, é obrigatória a ausência total de plantas vivas de soja nos campos do Estado.

A medida tem como objetivo principal combater o fungo Phakopsora pachyrhizi, causador da ferrugem asiática. A doença gera a desfolha precoce da planta que prejudica a formação e o enchimento dos grãos, consequentemente a redução acentuada de produtividade.

“A soja é o principal hospedeira da ferrugem asiática. Ou seja, eliminando o hospedeiro por esse período, o fungo da doença se reproduz menos e no verão a pressão é menor nas lavouras”, destaca o engenheiro-agrônomo Fernando Aggio, do DTE da FAEP.

Os reflexos positivos do vazio sanitário são registrados na safra de verão, quando a soja ocupa milhões de hectares em todas as regiões do Paraná. Com o controle correto da doença, os produtores reduzem o número de aplicação de fungicida nas lavouras de oleaginosa. “E isso impacta diretamente no custo de produção, ainda mais em uma época de margens apertadas”, reforça Aggio.

Porém, o vazio sanitário não significa que a terra precise ficar parada. O produtor pode optar por alguma cultura de inverno e/ou pelo milho safrinha. Além disso, o trabalho de monitoramento precisa ser constante, assim como o controle das plantas daninhas e a eliminação das plantas voluntárias de soja.

Semeadura

Encerrado o vazio sanitário em 15 de setembro, o plantio da soja está autorizado até dia 31 de dezembro, conforme o zoneamento agrícola estadual. Neste período, o produtor precisa monitorar a cultura a partir da emergência das plantas e intensificar na floração. A atenção também tem que ser redobrada em locais com maior acúmulo de umidade.

Outra ação simples, mas eficaz, é retirar folhas dos terços médios e inferior da planta e observar contra a luz para verificar se existem pontuações escuras e/ou saliências semelhantes a pequenas feridas (bolhas), que podem sinalizar a presença da ferrugem asiática. Neste caso, é importante iniciar o controle eficiente da doença, caso necessário, com acompanhamento de um engenheiro-agrônomo.

André Amorim

Jornalista desde 2002 com passagem por blog, jornal impresso, revistas, e assessoria política e institucional. Desde 2013 acompanhando de perto o agronegócio paranaense, mais recentemente como host habitual do podcast Boletim no Rádio.

Comentar

Boletim no Rádio

Galeria | Flickr

  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.53.29
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.53
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.52
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.07
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.09
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.11
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.05
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.02
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.51.57

Boletim no Rádio