Sistema FAEP/SENAR-PR

Visita da China dá novo passo à exportação de carne bovina

Os chineses consomem mais suínos e frangos do que bovinos, mas a dimensão do mercado de mais de 1,3 bilhão de pessoas — que consome cada vez mais proteína animal — impressiona fornecedores externos

A retomada da exportação de carne bovina brasileira para a China, anunciada no ano passado como um divisor de águas para a pecuária, será um dos principais assuntos da visita do primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, nesta próxima semana. Ele vem ao Brasil acompanhado de 150 empresários. A expectativa do governo brasileiro é assinar um protocolo sanitário que deve agilizar os negócios.

Os chineses consomem mais suínos e frangos do que bovinos, mas a dimensão do mercado de mais de 1,3 bilhão de pessoas — que consome cada vez mais proteína animal — impressiona fornecedores externos.
Com a abertura do mercado chinês, a expectativa do governo brasileiro é que o valor em vendas alcance patamar próximo a US$ 1 bilhão. O presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), Antônio Camardelli, prefere não fazer previsão de valor das exportações de carne bovina com a liberação. Para frangos e suínos, o governo tem a expectativa de elevar em 20% as vendas.

Embargo

O protocolo oficializará o anúncio de fim do embargo chinês à carne vermelha brasileira, anunciado em julho do ano passado pelo presidente Xi Jinping. Para retomar as vendas, o Brasil precisa ir além do aval formal e fazer um trabalho de reposicionamento no mercado chinês.

Com isso em vista, o governo e o setor privado brasileiro articulam, para menos de um mês após a visita de Li Keqiang (provavelmente entre 9 e 12 de junho), uma missão para promover as carnes bovina, suína e de frango na China. A viagem é organizada pela Agência Brasileira de Promoção às Exportações e Investimentos (Apex), em parceria com a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec) e a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

“A gente ainda não sabe a quantidade de plantas [frigoríficos] que serão liberadas, se aquelas nove iniciais ou mais”, diz o presidente da Abiec. A referência de Antônio Camardelli são os frigoríficos habilitados durante o anúncio do fim do embargo, em julho de 2014.

A China embargou a carne bovina do Brasil em 2012, em razão da descoberta, em território brasileiro, de um caso atípico de encefalopatia espongiforme bovina (EEB), a doença da vaca louca. Na ocasião, o Brasil havia conseguido entrar há pouco tempo no “restrito e burocrático” mercado chinês.

“É um mercado que retorna, que foi embora quando estávamos começando a entendê-lo”, destacou Camardelli. Segundo ele, o Brasil precisa fazer novo esforço para compreender os chineses. De acordo com o presidente da Abiec, a China será um grande parceiro comercial e a reabertura do seu mercado à carne brasileira é “um presente de Natal antecipado”.

Fonte: Gazeta do Povo – 18/05/2015

DETI

O Departamento de Tecnologia da Informação (Deti) do Sistema FAEP/SENAR-PR, formado por profissionais da área, é responsável pela gestão tecnológica do portal da entidade, desde o design, primando pela experiência do usuário, até suas funcionalidades para navegabilidade.

Comentar

Boletim no Rádio

Galeria | Flickr

  • IMG_7804
  • IMG_7797
  • IMG_7803
  • IMG_7790
  • IMG_7793
  • IMG_7787
  • IMG_7775
  • IMG_7783
  • IMG_7771

Boletim no Rádio