Sistema FAEP/SENAR-PR

Carnes especiais terão frigorífico em Guarapuava

Criadouros do estado estão se especializando em carne comum e também em cortes especiais

foto-083
Maior exportador de carne bovina do mundo, o Brasil importa 14 mil toneladas ao ano, mostram dados da Secretaria de Comércio Exterior. A explicação do setor é que a produção de carnes especiais ainda é insuficiente para suprir os consumidores ávidos por um churrasco macio e saboroso. Esse filão fomenta projetos como o da construção de um frigorífico de R$ 16 milhões pela Cooperaliança, a partir do segundo semestre deste ano, em Guarapuava, no Centro-Sul do Paraná.

Formada em 2007, a cooperativa depende de frigoríficos de terceiros para lançar a produção dos associados no mercado, o que encarece a carne, já famosa na região e em Curitiba. Não faltam clientes também em outros estados, apostam os integrados, mas por enquanto o alimento tem inspeção para comercialização apenas no Paraná.

Planos

A promessa é que o projeto torne a carne mais barata para o consumidor final, mas a pressão da demanda tende a crescer. O novo frigorífico, que deve entrar em operação em 2015 com 120 empregos diretos, buscará inspeção federal, para vendas em outros estados e também para exportação.

“Hoje a nossa produção tem compra certa, mas precisa passar por terceiros. Com o frigorífico próprio, teremos condições de administrar os cortes, reduzir custos para o consumidor final”, diz o agropecuarista Gibran Araújo, de Candói, na região de Guarapuava.

Filão atestado

A carne bovina da Coope­raliança vem de fazendas de apreciadores que tradicionalmente mantinham algumas cabeças de gado para consumo próprio. Cruzamentos com o gado angus permitiram produção em maior escala e fez de pequenos plantéis um negócio promissor. As perspectivas da atividade atraem ninguém menos que o presidente da maior cooperativa agroindustrial da América Latina, a Coamo.

No comando da empre­sa gigante, José Aroldo Gallas­sini é o mais ilustre associado da cooperativa de carnes de Guarapuava. “Sou cooperado desde o ano passado e estou confiante. Vamos ampliar a produção daqui para a frente. Existe um mercado muito promissor para a carne de qualidade”, afirma o executivo.

Neste ano, devem ser abatidos 15 mil cabeças, na média de 280 quilos.

Fonte: Gazeta do Povo – 31/03/2014

Sistema FAEP

Comentar

Boletim no Rádio

Galeria | Flickr

  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.53.29
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.53
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.52
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.07
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.09
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.11
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.05
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.02
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.51.57

Boletim no Rádio