Sistema FAEP/SENAR-PR

IBGE prevê safra de grãos 8,4% menor que a de 2015

A sexta estimativa de 2016 para a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas totalizou 191,8 milhões de toneladas

A estimativa da área a ser colhida (57,5 milhões de hectares) recuou 0,1% (-105.923 hectares) frente a 2015 (57,6 milhões de hectares). Em relação a maio, houve recuo de 0,3% (-146.847 hectares). Arroz, milho e soja são os três principais produtos deste grupo e, somados, representaram 92,4% da estimativa da produção e 87,4% da área a ser colhida. Em relação a 2015, houve acréscimo de 2,8% na área da soja e reduções de 1,2% na do milho e de 9,4% na de arroz. Já as avaliações de produção são negativas: -0,6% para a soja, -12,2% para o arroz e -18,0% para o milho.

Regionalmente, a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas apresentou a seguinte distribuição: Centro-Oeste, 79,9 milhões de toneladas; Sul, 74,2 milhões de toneladas; Sudeste, 19,7 milhões de toneladas; Nordeste, 11,7 milhões de toneladas e Norte, 6,3 milhões de toneladas. Em relação à safra de 2015, houve alta no Sudeste (1,9%) e decréscimos nas regiões Norte (-17,8%), Nordeste (-29,2%), Centro-Oeste (-11,1%) e Sul (-2,2%). Nessa avaliação para 2016, o Mato Grosso foi o maior produtor nacional de grãos, com participação de 24,9%, seguido pelo Paraná (18,9%) e Rio Grande do Sul (16,5%). Somados, os três estados representaram 60,3% do total nacional previsto

Estimativa de junho em relação a maio de 2016

No Levantamento Sistemático da Produção Agrícola de junho destacaram-se as seguintes variações nas estimativas de produção: feijão em grão 3ª safra (11,3%), cebola (9,8%), amendoim em casca 2ª safra (4,9%), soja em grão (-0,2%), cana-de-açúcar (-0,6%), arroz em casca (-0,6%), milho em grão 1ª safra (-2,6%), feijão em grão 1ª safra (-4,3%), milho em grão 2ª safra (-5,6%), café em grão canephora (-10,0%) e sorgo em grão (-22,7%).

AMENDOIM (em casca) – A estimativa da produção em 2016 é de 420,3 mil toneladas, aumento de 0,5% frente a maio, com São Paulo participando com 91,8% desse total. Com produção predominantemente em primeira safra (94,7%), o produto frequentemente é relacionado às áreas de renovação de canaviais antigos. O destaque do mês foi a produção estimada do amendoim 2ª safra, que cresceu 4,9% frente a maio. Ao todo, estão previstas 22,4 mil toneladas em 2016, com destaque para a alta da produção de Alagoas, (100,3%).

ARROZ (em casca) – 10,8 milhões de toneladas, com queda 0,6% em relação à avaliação de maio (-69.511 toneladas). Maranhão, Rondônia, Santa Catarina, Pará, Ceará, Alagoas e Mato Grosso do Sul foram os principais responsáveis pela avaliação negativa em junho. No Norte e no Nordeste, as expectativas do rendimento médio recuaram devido à estiagem e, também, pelos recuos nas avaliações de área plantada para o Maranhão (-3.900 ha), Pará (-1.189 ha), Tocantins (-615 ha) e Ceará (-468 ha). Já em Santa Catarina, o decréscimo de 0,5% na produção esperada resulta de estimativas menores para área colhida (-0,2%) e o rendimento médio (-0,3%). Na Região Sul, ao contrário das demais, a cultura do arroz sofreu com altas precipitações e baixa insolação.

CAFÉ (em grão) – 2,9 milhões de toneladas, ou 48,8 milhões de sacas de 60 kg, com queda de 1,6% em relação ao mês anterior. O café arábica participa com 82,0% e o canephora (conillon), com 18,0%. O Espírito Santo, maior produtor café canephora (60,1% da produção nacional) deve colher uma safra de 316,3 mil toneladas, com queda de 16,0% frente à produção esperada no mês anterior, devido à estiagem que afeta os principais municípios produtores por dois anos consecutivos.

CANA-DE-AÇÚCAR – produção de 726,7 milhões de toneladas, 0,6% inferior a maio. Alagoas (-14,0%) foi o principal responsável por este recuo. A lavoura foi prejudicada pela falta de chuvas e pela falta de recursos financeiros dos fornecedores, o que levou o rendimento médio a um recuo de 7,0%. No Rio de Janeiro, a produção caiu 3,1%, reflexo da menor área plantada. Também houve pequenos ajustes na produção do Paraná (-0,4%), Ceará (-1,6%), Pará (-0,1%), Acre (0,4%) e Espírito Santo (3,0%).

CEBOLA – alta de 9,8% em relação ao mês anterior, com expectativa de produção é de 1,6 milhão de toneladas (contra a de 1,4 milhão divulgada em maio). A alta decorre das informações de Santa Catarina, maior produtor nacional, onde espera-se uma área plantada de 21.277 hectares e um rendimento médio de 23.327 kg/ha. A produção estimada é de 496,3 mil toneladas, alta de 42,1% frente a maio. Com o início da colheita, estima-se para Minas Gerais uma produção de 182,1 mil toneladas (-4,1% em relação a maio). A queda na expectativa do rendimento médio (-3,4%) foi a principal responsável pela baixa na produção.

FEIJÃO (em grão) – redução de 1,0% no mês e de 6,6% no ano, devido às condições climáticas desfavoráveis, o que provocou aumento dos preços, principalmente do feijão carioca. O feijão 1ª safra recuou (-4,3%) em junho, com a queda na produção estimada do Ceará (-47,3%). A seca que atinge o estado também deve influir na 2ª safra, com uma redução esperada de 5,5%. Outros estados apresentaram queda na produção, como Maranhão (-2,2%), Alagoas (-7,9%) Espírito Santo (-48,5%), Rio de Janeiro (-5,6%), Mato Grosso do Sul (-11,1%) e Distrito Federal (-41,8%). Com o aumento do preço, a expectativa é de expansão na 3ª safra, tanto das áreas cultivadas (10,9%) quanto da produção esperada (11,3%), com reavaliações em Minas Gerais (23,4%) e Goiás (7,1%), os principais produtores desta safra. No entanto, a produção ainda está 2,2% abaixo da obtida em 2015.

MILHO (em grão) – As condições climáticas que prejudicaram a 1ª safra persistiram na 2ª safra e trouxeram queda de 4,6% na produção estimada (70,1 milhões de toneladas). A 1ª safra teve nova redução da produção: 25,2 milhões de toneladas (-2,6% em relação a maio). A área colhida (5,3 milhões de ha) também recuou (-0,9%). As maiores influências para redução na produção foram: Ceará (-300.431 t), Maranhão (-204.772 t), Distrito Federal (-90.307 t), Santa Catarina (-74.000 t) e Pará (-20.066 t). A produção estimada da 2ª safra (44,9 milhões de toneladas) recuou 5,6% e o rendimento médio (4.458 kg/ha) caiu 4,9%. Houve recuos na produção estimada do MS (-11,8%), PR (-6,6%), GO (-9,0%), MA (-59,2%), TO (-47,1%), DF (­-57,2%), MG (-2,0%), PA (-9,5%) e ES (-63,2%).

SOJA (em grão) – Com a colheita da leguminosa praticamente encerrada, a estimativa da produção de soja do país em junho é de 96,6 milhões de toneladas, queda de 0,3% frente ao mês anterior. A maior variação do mês ficou com o Paraná que, inclusive, informou a estimativa da produção da safrinha, 317.903 toneladas, abaixo da dimensionada anteriormente. Com isso, a produção do estado em 2016 alcança 17,0 milhões de toneladas, com queda de 0,8% frente ao mês anterior. Já o DF deve colher 208,6 mil toneladas nesta safra, com aumentos esperados na área plantada (89,8%) e na produção (82,9%).

SORGO (em grão) – produção estimada em 1,3 milhão de toneladas, com redução de 22,7% em relação a maio. A redução de 17,3% na estimativa do rendimento médio foi a principal responsável pela queda da produção. Espera-se que o rendimento médio seja de 2.351 kg/ha. Goiás e Minas Gerais são os dois maiores produtores de sorgo do país. Juntos detêm 62,6% da estimativa de produção nacional. Com a seca que assolou o Centro-Oeste, são esperadas quedas no rendimento médio e na área colhida do sorgo goiano, respectivamente de 33,9% e 20,6%, em relação a maio. Por consequência, a produção deve recuar 47,5%, totalizando em 396,9 mil toneladas. Para Minas Gerais a produção estimada é de 391,7 mil toneladas, 1,3% superior à obtida em maio.

Estimativa de junho em relação à produção obtida em 2015
Entre os 26 principais produtos, 12 apresentaram alta na estimativa de produção em relação a 2015: amendoim em casca 1ª safra (20,6%), amendoim em casca 2ª safra (4,3%), aveia em grão (34,4%), batata-inglesa 1ª safra (5,0%), batata-inglesa 2ª safra (4,1%), cacau em amêndoa (3,3%), café em grão – arábica (20,3%), cebola (9,9%), cevada em grão (40,7%), mamona em baga (11,4%), trigo em grão (18,4%) e triticale em grão (11,8%). Com variação negativa foram quatorze produtos: algodão herbáceo em caroço (9,6%), arroz em casca (12,2%), batata-inglesa 3ª safra (25,1%), café em grão-canephora (19,6%), cana-de-açúcar (3,1%), feijão em grão 1ª safra (6,4%), feijão em grão 2ª safra (8,4%), feijão em grão 3ª safra (2,2%), laranja (3,2%), mandioca (1,1%), milho em grão 1ª safra (14,0%), milho em grão 2ª safra (20,1%), soja em grão (0,6%) e sorgo em grão (40,7%).
O Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) é uma pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras dos principais produtos agrícolas, cujas informações são obtidas por intermédio das Comissões Municipais (COMEA) e/ou Regionais (COREA); consolidadas em nível estadual pelos Grupos de Coordenação de Estatísticas Agropecuárias (GCEA) e posteriormente, avaliadas, em nível nacional, pela Comissão Especial de Planejamento Controle e Avaliação das Estatísticas Agropecuárias (CEPAGRO) constituída por representantes do IBGE e do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento (MAPA).
Os levantamentos para cereais (arroz, milho, aveia, centeio, cevada, sorgo, trigo e triticale), leguminosas (amendoim e feijão) e oleaginosas (caroço de algodão, mamona, soja e girassol) foram realizados em colaboração com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), órgão do MAPA, continuando um processo de harmonização das estimativas oficiais de safra das principais lavouras brasileiras, iniciado em março de 2007.

Fonte: IBGE

André Amorim

Jornalista desde 2002 com passagem por blog, jornal impresso, revistas, e assessoria política e institucional. Desde 2013 acompanhando de perto o agronegócio paranaense, mais recentemente como host habitual do podcast Boletim no Rádio.

Comentar

Boletim no Rádio

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Galeria | Flickr

  • 00655
  • 00654
  • 00653
  • 00652
  • 00651
  • Evento Líderes Rurais. 01/12/2023 Foto: Brunno Covello
  • 00650
  • Evento Líderes Rurais. 01/12/2023 Foto: Brunno Covello
  • Evento Líderes Rurais. 01/12/2023 Foto: Brunno Covello

Boletim no Rádio