Sistema FAEP/SENAR-PR

Importação de trigo atinge maior volume em quatro anos

Argentina retomou a hegemonia como principal país fornecedor de trigo para o mercado brasileiro, respondendo por 82% do cereal importado pelo Brasil no primeiro semestre deste ano

Os moinhos brasileiros seguem firme na importação de trigo. O desembarque do cereal no primeiro semestre deste ano atingiu 3,086 milhões de toneladas, com um crescimento de 11,9% em relação aos primeiros seis meses do ano passado e o maior volume dos últimos quatro anos para o período.

A importação do cereal custou US$ 567,5 milhões, valor 5,9% acima do registrado no primeiro semestre do ano passado. O preço médio desembolsado pelos moinhos, de US$ 183,89 por tonelada, ficou 5,3% abaixo da média dos primeiros seis meses de 2016 e foi o menor valor dos últimos dez anos.

A Argentina retomou a hegemonia como principal país fornecedor de trigo para o mercado brasileiro, respondendo por 82% do cereal importado pelo Brasil no primeiro semestre deste ano. As importações do cereal argentino cresceram 38% e somaram 2,52 milhões de toneladas, enquanto a receita subiu 19,3% para US$ 464,9 milhões. O preço médio caiu 6,3% para US$ 184,43 por toneladas.

Um dos fatores que contribui para a volta da competitividade do cereal argentino foi a eliminação do imposto de exportação pelo governo de Mauricio Macri. A Argentina recuperou o mercado perdido para o Uruguai, que no primeiro semestre de 2014 chegou a exportar 631 mil toneladas para o Brasil, e o Paraguai, que atingiu o maior volume nos primeiros seis meses do ano passado, com 480 mil toneladas.

No primeiro semestre deste ano as exportações de trigo paraguaio para o Brasil recuaram 39,6% para 290 mil toneladas, enquanto o uruguaio sofreu um tombo de 88,8% para 28 mil toneladas. A receita do Paraguai caiu 45,2% para US$ 47,8 milhões e a do Uruguai recuou 88,7% para US$ 5,2 milhões.

Os Estados Unidos, que checou a exportar 1,062 milhão de toneladas para o Brasil nos primeiros seis meses de 2014, época em que o governo zerou a tarifa externa comum de 10%, neste ano vendeu para o mercado brasileiro 213,7 mil toneladas, volume 23,5% superior ao registrado no primeiro semestre do ano passado. A receita dos norte-americanos com a venda do trigo cresceu 22,3% para US$ 43,2 milhões nos primeiros seis meses deste ano.

O aumento das importações de trigo não é uma boa notícia para os produtores brasileiros, que ano passado colheram uma safra recorde de 6,672 milhões de toneladas e viram os moinhos comprar no exterior 6,866 milhões de toneladas.

O governo federal desembolsou R$ 170 milhões para garantir ao produtor o recebimento do preço mínimo de R$ 33,45 por saca na comercialização de 943 mil toneladas do cereal, enquanto a maior parte da safra foi negociada abaixo deste valor. O resultado é que na safra atual, que está na fase final de plantio, a área plantada encolheu 8,8% para 1,93 milhão de hectares, a menor dos últimos anos.

Fonte: Revista Globo Rural.

Antonio Senkovski

Repórter e produtor de conteúdo multimídia. Desde 2016, atua como setorista do setor agropecuário (do Paraná, Brasil e mundial) em veículos de comunicação. Atualmente, faz parte a equipe de Comunicação Social do Sistema FAEP/SENAR-PR. Entre as principais funções desempenhadas estão a elaboração de reportagens para a revista Boletim Informativo; a apresentação de programas de rádio, podcasts, vídeos e lives; a criação de campanhas institucionais multimídia; e assessoria de imprensa.

Comentar

Boletim no Rádio

Galeria | Flickr

  • AX4A4228
  • AX4A4219
  • 04128_LIDERES_2022
  • 08760_LIDERES_2022
  • 04117_LIDERES_2022
  • 04039_LIDERES_2022
  • 04069_LIDERES_2022
  • AX4A4850
  • 03552_LIDERES_2022

Boletim no Rádio