Sistema FAEP/SENAR-PR

Número de agtechs no país dispara em dois anos

Novo levantamento faz recorte mais aprofundado em relação ao censo anterior e mostra dois aspectos positivos em relação à disseminação da inovação no campo

Muito mais gente está interessada hoje nos problemas da vida rural brasileira – ou, melhor dizer, na possibilidade de ganhar dinheiro encontrando soluções tecnológicas para eles. Isso explica por que o número de startups voltadas ao agronegócio tenha mais que dobrado entre 2016 e o primeiro semestre de 2018, conforme mostra o 2º Censo Agtech Startups Brasil, que acaba de ser concluído. Eram 76; agora são 184 empresas. Juntas, levaram à criação declarada de 1.536 postos de trabalho de alta qualificação no país.

O novo levantamento realizado pelo AgTechGarage e a Esalq/USP faz um recorte mais aprofundado em relação ao censo anterior e mostra dois aspectos positivos em relação à disseminação da inovação no campo. Um deles é o espraiamento territorial desses empreendedores com o aparecimento, ainda que tímido, de startups no Norte e Nordeste, e o crescimento do empreendedorismo no Centro-Oeste. Amapá, Amazonas, Pará e Piauí são novidades, mas Goiás e Mato Grosso ganharam representatividade maior.

Outro aspecto é a diversificação das culturas atingidas. Preferência do grande produtor rural brasileiro, a soja continua sendo o carro-chefe também na busca por tecnologias que ampliem a previsibilidade e a produtividade das lavouras. Os empreendedores trabalhando nesta agenda perfazem nada menos que 46% das agtechs levantadas. Mas surgiram desta vez tecnologias também para culturas menos commoditizadas, como a hortifruticultura e a piscicultura.

“Em uma escala de 1 a 5, a receptividade do agricultor brasileiro à tecnologia passou a pender bem mais para alta”, afirma José Tomé, do AgTechGarage, de Piracicaba.

O amadurecimento do empreendedorismo rural se vê tanto na melhor aceitação da tecnologia por parte do produtor quanto na capacidade das startups de atender o cliente em cenários adversos. Segundo Tomé, as empresas conseguiram dar um “jeitinho” na realidade brasileira de baixa conectividade rural. “É claro que não ter internet não é bom, dificulta, mas o que o censo mostra é que as startups não viram isso como uma barreira de entrada”, diz ele.

Matéria completa em: Valor Econômico.

Antonio Senkovski

Repórter e produtor de conteúdo multimídia. Desde 2016, atua como setorista do setor agropecuário (do Paraná, Brasil e mundial) em veículos de comunicação. Atualmente, faz parte a equipe de Comunicação Social do Sistema FAEP/SENAR-PR. Entre as principais funções desempenhadas estão a elaboração de reportagens para a revista Boletim Informativo; a apresentação de programas de rádio, podcasts, vídeos e lives; a criação de campanhas institucionais multimídia; e assessoria de imprensa.

Comentar

Boletim no Rádio

Galeria | Flickr

  • AX4A4228
  • AX4A4219
  • 04128_LIDERES_2022
  • 08760_LIDERES_2022
  • 04117_LIDERES_2022
  • 04039_LIDERES_2022
  • 04069_LIDERES_2022
  • AX4A4850
  • 03552_LIDERES_2022

Boletim no Rádio