Sistema FAEP/SENAR-PR

Pesquisa aponta que gargalo logístico aumenta frete de grãos em até R$ 2,4 bi

O valor definido corresponde à diferença no valor de frete no comparativo entre duas grandes rotas de escoamento de safra, os portos de Santos (SP) e Paranaguá (PR) e as vias de Miritituba (PA) e Santarém (PA), pela rota da BR-163, ainda não pavimentada no trecho localizado no Pará. O preço pago pelo produtor para escoar uma tonelada de grãos pelos dois maiores portos do Centro-Sul do Brasil é de R$ 333, ao passo que o gasto cai para R$ 238 a tonelada ao utilizar o caminho pavimentado BR-163 Norte.

Para se chegar a esse resultado, o levantamento também considerou os mesmos pontos de partida e chegada, o polo de Lucas do Rio Verde (MT) e Shangai (China). Com isso, a diferença no custo do setor chega a um montante de R$ 2,4 bilhões por safra.

Olivier Roger Sylvain Girard, sócio da empresa Macrologística, alega que o tema é de fundamental importância por levar em conta a necessidade de mudanças profundas para evitar maiores prejuízos ao escoamento da safra e, consequentemente, ao crescimento do agronegócio no país.

O estudo completo inclui a análise de outras opções de rotas de escoamento, tendo como destinos finais Shangai e Roterdã (Holanda). O projeto foi capitaneado pelas entidades da Indústria, Comércio e Agricultura dos Estados da região Centro-Oeste.

Safra recorde
Dados do Imea (Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária) indicam que Mato Grosso produzirá na safra 2013/14, 25,28 milhões de toneladas, o que seria caracterizado como um novo recorde. Considerando essa mesma estimativa, caso toda a safra mato-grossense fosse escoada por Santarém, o custo total de frete seria de cerca de R$ 6 bilhões ante R$ 8,4 bilhões via Santos e Paranaguá, por meio da interação modal entre rodovia e ferrovia, o que resulta em uma diferença de R$ 2,4 bilhões.

Para o presidente da Famato (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso), Rui Prado, os investimentos feitos em logística de transporte ainda são muito baixos, resultando na ineficiência da competitividade de agricultores e provocando um efeito cascata na cadeia produtiva.

"As estradas ruins ou em péssimas condições – ou o que é pior, a falta delas – causa prejuízos a quem produz e a quem consome. O produto final que chega ao supermercado precisa ser mais barato para quem compra ao mesmo tempo que remunera de forma justa a quem produz. Nós perdemos competitividade e esse preço mais barato fica no meio do caminho, junto com a remuneração do produtor", comenta.

Prado ressalta também que os dados do estudo pautarão as próximas reivindicações do setor junto ao governo federal.

ATR Brasil

Sistema FAEP

Comentar

Boletim no Rádio

Galeria | Flickr

  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.53.29
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.53
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.52
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.07
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.09
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.11
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.05
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.02
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.51.57

Boletim no Rádio