Sistema FAEP/SENAR-PR

Vacinação de maio contra a aftosa deve ser a última

Estado coloca em prática cronograma para suspender a imunização a partir de novembro

A contagem regressiva para que o Paraná suspenda a vacinação contra a aftosa – e alcance mais valor na carne bovina destinada à exportação, dez anos depois da identificação de animais com a doença – começa a correr nesta semana. O estado põe em prática um cronograma para suspender a aplicação do medicamento em novembro.

A próxima campanha de imunização – que pelo planejamento do governo deve ser também a última – será lançada oficialmente no dia 30 de abril, sem quaisquer alterações. Ou seja, vale para os animais com até 24 meses de idade.

A partir de novembro – quando normalmente é imunizado todo o rebanho – a vacinação tende a ser suspensa, afirma o presidente da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Inácio Kroetz.

Animais com mais de 2 anos podem ter recebido a última vacina no ano passado. “Não há necessidade de vacinar 100% do rebanho agora, porque os animais com mais de 24 meses receberam a vacina em novembro do ano passado e não há circulação do vírus no estado”, explica.

A Adapar entrou em acordo com o governo federal sobre as medidas necessárias para a suspensão das campanhas. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) insiste na necessidade de contratação de 169 servidores para a agência e na construção ou reforma de 23 barreiras nas divisas. “Estamos indo muito bem, o cronograma está dentro do ritmo esperado”, afirma Kroetz.

Para o diretor de Saúde Animal do Mapa, Guilherme Marques, se o estado cumprir essas metas, estará em condições suspender a vacinação –que exige investimento de ao menos R$ 15 milhões ao ano.

A construção das barreias com ajuda do setor privado é apontada como indispensável para que o Paraná tenha condição similar à de Santa Catarina, únido estado brasileiro livre da aftosa sem vacinação. Os custos devem chegar a R$ 5 milhões.

Ainda não está definida exatamente qual será a participação financeira do setor privado. As empresas entrarão com a doação de material e equipamentos. O estado fica responsável pelos projetos e pela mão de obra. As contratações, conforme o presidente da Adapar, devem ocorrer a partir de nomeações previstas para a primeira semana de maio, mês em que começam as auditorias do Mapa.

10 anos
após a crise da aftosa, deflagrada em 2005, e depois de uma série de ajustes no sistema de vigilância sanitária, o Paraná volta ao ponto em que estava em 2004. Se for reconhecido como área livre da doença sem vacinação pelo Ministério da Agricultura, poderá reivindicar o status em âmbito internacional.

R$ 5 milhões
são necessários para obras que incluem reforma ou construção de 23 barreiras para controle do trânsito de bovinos nas divisas do Paraná com Mato Grosso do Sul, São Paulo e Santa Catarina. Número de postos segue modelo catarinense, aceito internacionalmente como eficiente para proteger o rebanho do vírus da aftosa.

Fonte: Gazeta do Povo – 07/04/2015

DETI

O Departamento de Tecnologia da Informação (Deti) do Sistema FAEP/SENAR-PR, formado por profissionais da área, é responsável pela gestão tecnológica do portal da entidade, desde o design, primando pela experiência do usuário, até suas funcionalidades para navegabilidade.

Comentar

Boletim no Rádio

Galeria | Flickr

  • AX4A4228
  • AX4A4219
  • 04128_LIDERES_2022
  • 08760_LIDERES_2022
  • 04117_LIDERES_2022
  • 04039_LIDERES_2022
  • 04069_LIDERES_2022
  • AX4A4850
  • 03552_LIDERES_2022

Boletim no Rádio