Sistema FAEP/SENAR-PR

Rússia faz novas exigências para compra da carne suína brasileira

O alvo da polêmica é um pó amarelo, que recebe o nome de ractopamina. Não é um hormônio, é um produto da categoria dos promotores de crescimento. São substâncias que estimulam o ganho de peso dos animais.

Uma granja de suínos em Planaltina, no Distrito Federal, utiliza o produto misturado na ração. A proporção é de oito gramas de ractopamina para cada tonelada de ração. O ingrediente é fornecido aos animais nos últimos 28 dias antes do abate e estimula a produção de carne magra.

No Brasil, o uso da ractopamina na criação de suínos é permitido há uma década. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) garante que o produto não oferece risco à saúde pública, mas nos países da União Europeia, na China e na Rússia, a ractopamina é proibida.

Na última visita ao Brasil, os russos pediram ao governo uma garantia de que a ractopamina não será usada na carne exportada. O secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Ênio Marques, disse que o governo vai fazer o controle da carne vendida para a Rússia.

A preocupação não se limita à carne suína. Em junho, o Ministério da Agricultura autorizou a utilização de uma substância semelhante na ração de bovinos, carne que também é exportada para a Rússia.

FONTE: Suino.com

DETI

O Departamento de Tecnologia da Informação (Deti) do Sistema FAEP/SENAR-PR, formado por profissionais da área, é responsável pela gestão tecnológica do portal da entidade, desde o design, primando pela experiência do usuário, até suas funcionalidades para navegabilidade.

Comentar

Boletim no Rádio

Galeria | Flickr

  • IMG_7804
  • IMG_7797
  • IMG_7803
  • IMG_7790
  • IMG_7793
  • IMG_7787
  • IMG_7775
  • IMG_7783
  • IMG_7771

Boletim no Rádio