Sistema FAEP/SENAR-PR
Lavoura seca de soja em primeiro plano, com paisagem rural ao fundo de planície, demonstrando preocupação do setor com menor cobertura de seguro rural e perspectiva de quebra na safra

Safra de soja tem quebra e menos seguro rural | Campo & Cia #181

A temporada 2023/24 no Paraná já tem previsão de quebra de 12%, com cobertura de seguro rural 20% menor que no ano anterior. Ouça mais no programa dessa semana, com participação da técnica do DTE Ana Paula Kowalski

A safra 2023/24 de soja no Paraná deve fechar com uma quebra de 12% em relação à estimativa inicial. Isso em um ano de baixa na contratação de seguro rural, com queda de 20%, segundo números da técnica Ana Paula Kowalski, do Departamento Técnico e Econômico (DTE) do Sistema FAEP/SENAR-PR. Ela é a convidada dessa semana do Campo & Cia, o programa semanal de rádio do Sistema FAEP.

Ouça e/ou baixe o episódio completo do Campo & Cia no player a seguir:

Ana Paula explicou, no programa, que a estimativa de quebra se deve principalmente ao regime de chuvas nos últimos meses. Em alguns momentos, houve excesso de precipitação, o que ocasiona diversos problemas, como o aumento da pressão de pragas na cultura. A irregularidade das chuvas também causou, em algumas regiões, veranicos prolongados, levando dificuldades ao desenvolvimento das plantas.

Mesmo com uma perspectiva de quebra no Paraná e em outros Estados, o preço da soja não tem reagido como esperavam os produtores. A demanda menor por parte da China, um dos principais parceiros comerciais do Brasil, é um dos fatores que explicam esse cenário. Além disso, o ritmo fraco de exportações dos Estados Unidos e a perspectiva de uma boa safra em outros países da América do Sul complementam a justificativa para a tendência de baixa cotação da oleaginosa, segundo Ana Paula.

Seguro rural

Outro tema do Campo & Cia dessa semana foi o seguro rural, do qual o Paraná é o maior demandante entre todos os Estados. Com a expectativa de quebra, é normal que mais produtores precisem acionar suas apólices. O problema é que 2023 teve a contratação de apenas 36,9 mil apólices, menor número desde 2018 — quando foram contratadas 25,6 mil apólices. Para se ter ideia, o Paraná já chegou a fechar 82,2 mil apólices, em 2021, quando atingiu seu auge no seguro.

Uma parte da justificativa para a queda na contratação de seguro rural está no fato de que houve a maior quebra da história no ano safra 2021/22 e, na temporada seguinte, as seguradoras reduziram a oferta do produto. Em 2024, no entanto, o que pesou mais nesse movimento de redução foi a falta de previsão de recursos do governo federal para o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR).

“Desde que foi anunciado o plano safra do ano passado, a FAEP vem alertando para a importância de destinação de recursos ao PSR. Sem dúvida essa deve ser uma das pautas prioritárias nas reivindicações para o próximo Plano Agrícola Pecuário, cujas discussões estão em andamento entre a FAEP e entidades representativas do agronegócio”

Ana Paula Kowalski, técnica do DTE do Sistema FAEP/SENAR-PR

Antonio Senkovski

Repórter e produtor de conteúdo multimídia. Desde 2016, atua como setorista do setor agropecuário (do Paraná, Brasil e mundial) em veículos de comunicação. Atualmente, faz parte a equipe de Comunicação Social do Sistema FAEP/SENAR-PR. Entre as principais funções desempenhadas estão a elaboração de reportagens para a revista Boletim Informativo; a apresentação de programas de rádio, podcasts, vídeos e lives; a criação de campanhas institucionais multimídia; e assessoria de imprensa.

Comentar

Boletim no Rádio

Galeria | Flickr

  • IMG_7804
  • IMG_7797
  • IMG_7803
  • IMG_7790
  • IMG_7793
  • IMG_7787
  • IMG_7775
  • IMG_7783
  • IMG_7771

Boletim no Rádio