Sistema FAEP/SENAR-PR

El Niño prejudica safra de soja no Sul do país

Excesso de água gerado pelo fenômeno climático El Niño reduz potencial das lavouras da região em 2015/16

Contrariando as expectativas positivas na largada do plantio, a safra dos três estados do Sul caminha para uma retração em 2015/16. Se no início do ciclo as chuvas prometidas pelo fenômeno El Niño pareciam favoráveis às produtividades em campo, o cenário agora é de preocupação. Estimando perdas de até 20% ante o potencial inicial da soja, produtores gaúchos descartam superar o resultado desempenho no ano passado em virtude do excesso de água. Embora não seja uma quebra climática, o quadro se repete no Paraná e Santa Catarina, e tende a pressionar para baixo a estimativa de produção da região, conferiu a Expedição Safra Gazeta do Povo após completar um roteiro de 2,5 mil quilômetros pelos três estados.

O desequilíbrio entre sol e chuva explica a queda. Na região de Erechim, no Noroeste do Rio Grande do Sul, o agricultor Roberto Baseggio lembra que os meses de novembro e dezembro tiveram chuvas acima da média, o que reduziu a exposição das plantas de soja ao sol. “Mas em janeiro faltou água e sobrou calor. Foram 20 dias de veranico, prejudicando tanto as lavouras que estavam em floração quanto aquelas que estavam em enchimento de grão”, conta. Ele espera uma média entre 62 e 63 sacas por hectare, ante 72 sacas obtidas em 2014/15 nos 1,7 mil hectares dedicados a oleaginosa.

“Visualmente as lavouras aparentam ter o mesmo potencial do ano passado. Mas os efeitos do clima e a maior incidência da ferrugem devem reduzir as produtividades. Isso só será amenizado pois houve ampliação da área plantada”, contextualiza o gerente geral da BSBios em Passo Fundo (Noroeste do RS), Anderson Strada, que coordena a originação de 1 milhão de toneladas de soja por ano para a produção de biodiesel.

Mesmo em campos irrigados por pivô, nos quais a produtividade costuma ser maior, também há retração ante a última safra. Em Boa Vista do Incra (Noroeste do RS) o produtor de sementes Mauro César Stertz calcula uma queda de 5 sacas por hectare na produtividade em comparação com a temporada passada. Nos 2,8 mil hectares dedicados a oleaginosa o rendimento deve ser de 75 sacas por hectare nos campos irrigados e de 65 sacas/ha no sequeiro. “Para a produção de sementes plantamos as variedades que mais vendem, e não as mais produtivas. A queda preocupa, pois hoje um rendimento inferior a 42 sacas por hectare já nos causa prejuízo”, pontua.

Uso de cultivares piratas pressiona campos de semente

Mais do que problemas de produtividade, a soja perde espaço em Santa Catarina devido a concorrência desleal no mercado de sementes, que é o forte do estado. Na região de Abelardo Luz, no Oeste, a cooperativa C.Vale estima uma queda entre 10% e 15% no rendimento da soja, para 60 sacas por hectare. Entretanto, o maior tombo foi em termos de área, que despencou 3 mil hectares em relação à safra passada, totalizando 5 mil hectares em produção. “Sentimos a pressão dos grãos piratas. A área de soja safrinha cresceu muito no Paraná e com isso aumentou o número de produtores que salvam sementes”, diagnostica o gerente da unidade da cooperativa no município, Júlio Cesar Pias Silva.

Fonte: Gazeta do Povo – 08/03/2016

Sistema FAEP

Comentar

Boletim no Rádio

Galeria | Flickr

  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.53.29
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.53
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.52
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.07
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.09
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.11
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.05
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.52.02
  • WhatsApp Image 2022-04-27 at 13.51.57

Boletim no Rádio